domingo, 17 de junho de 2012

Anotação número 17: liberdade

Cavalo, Horse, Liberdade, Liberté, Freedom

Post dedicado ao meu amigo adolescente gay, que amanhã tem exame nacional a Português, e que no próximo ano irá para a faculdade.


17.

Prezava acima de todas as coisas a liberdade. A liberdade de correr livre como os pássaros por entre as árvores do jardim. Poder sentar-me junto a um regato, ouvindo a água esgueirar-se por entre o cascalho. Ao final da tarde sentar-me debaixo de uma cerejeira, ouvindo as vozes cálidas dos camponeses regressando a casa pelo caminho de terra batida; vozes secas entrando em declínio, acompanhando a descida do sol, até se apagarem por completo.
Anos depois, quando saía da faculdade e ia para casa, parecia-me que sentia o cheiro e o som da liberdade – aquele cheiro a relva molhada e o chilrear dos pássaros. Sim! Os fins de tarde é que são a vida! O pôr-do-sol, sentado junto ao rio, só, observando as aves que procuram o seu galho para passar a noite, ou a chuva que cai sobre a minha cabeça e escorre por entre os poucos cabelos que ainda me restam, isto é liberdade! Isto é vida!
Ouvir o motor veloz dos carros passando sob o asfalto gasto ou o zumbido das conversas de café. O som cacofónico de uma discussão familiar. A mãe que puxa o garoto pela orelha com força e carinho. O pai que olha sério para a criança que não sabe se há-de rir se há-de chorar. Os autocarros que pegam e largam passageiros. Os semáforos que não cessam de mudar de cor. As montras das lojas que anunciam os novos descontos. A montra da livraria mostrando as novidades da rentrée. «Gostaria que estivesses aqui um dia comigo, para me veres cirandar pela cidade, qual barata tonta que deu de repente com a luz e que ofuscada anda de um lado para o outro aos encontrões!» Isto é vida!
Sim! Sou infeliz, mas dentro dessa infelicidade, sinto-me livre! E isso é uma sensação indescritível. Podem achar-me louco, como muitos me acham, mas às vezes levanto-me a meio da noite e vou beber um copo e fumar um cigarro a um bar daqueles que fecham mais tarde. Sento-me só a um canto. Bebo. Fumo. E volto para a minha cama fria. Ou fico a noite inteira a ler o último livro que comprei. Quando dependia da mesada do meu pai, sabia que teria que poupar o resto do mês, mas tinha um livro novo! Lia-o até ao fim. E ficava à espera de ter dinheiro para outro.


Anotação número 17 de 99, de um livro feito romance a partir de fragmentos e anotações, e que são 5 histórias que se cruzam, mas que podiam ser apenas 1. O título original era «Morte na Madrugada», com o subtítulo «ou o eterno amanhecer», porque sempre gostei de subtítulos. Que dissessem o mesmo, o contrário, ou outra coisa qualquer.

O Romance «Os Cadernos Secretos de Sébastian» encontra-se à venda, em livro, na Amazon e na CreateSpace. Em formato e-book podem encontrá-lo na SmashWords, no iTunes, na Amazon, e noutras lojas online.

2 comentários :

  1. Delicioso.
    Sê livre! Nós gostamos de ti.

    Abraço-te

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não, a personagem do livro. Convém não confundir as coisas. Abraço.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...