quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Um Gato Chamado Borges, de Vilto Reis




Um Gato Chamado Borges, de Vilto Reis


Um gato chamado Borges é o primeiro lançamento da editora Nocaute, mas este romance de Vilto Reis (criador do site Homo Literatus) foi finalista do Prêmio SESC de Literatura e está sendo muito bem avaliado no Skoob e no Goodreads.

UM GATO CHAMADO BORGES | Vilto Reis


Escrever é uma forma de vingança.

João Meireles achou que ia realizar o sonho de fugir da cidade e de seu passado para viver na praia, mas em seu primeiro dia de trabalho como locutor de rádio teve de noticiar um suicídio. O inverno despertava um desejo de morte nos nativos de São Brandão.

Agora todos os dias, ele precisa dar notas de falecimento, como se não bastassem os boatos de que seus próprios pais teriam se suicidado ao ficarem ilhados em uma enchente. O pior é que os nativos não se mostram a fim de ajudá-lo, e suas amizades equivocadas com Jaques de Mello e Cauan apenas fazem com que coloque sua vida em risco. A investigação da causa dos suicídios lança-o nas disputas locais, cercando-se de mentiras, brigas com navalhas e disputas de poder até a descoberta de verdades que o levarão ao limite de si mesmo. Como matar o que já está morto? E onde está o gato?

Inspirado pelo poema Mar absoluto, Vilto Reis – editor e criador do site Homo Literatus, apresentador do podcast 30:MIN, entre tantos outros projetos – escreveu a primeira versão deste romance breve e singular em vinte e dois dias. Depois ficou cinco meses sem olhar para o manuscrito, enquanto redigia sua monografia – um estudo das narrativas fílmicas do diretor de cinema Alfred Hitchcock. Ao tornar ao romance, realizou modificações com base nos estudos, criando mecanismos de suspense para prender o leitor. Ainda assim, criou um livro que não se prende a gênero algum. Faz referência a Rubem Fonseca, Paul Auster, Haruki Murakami e Jorge Luis Borges, mas mantém a linguagem contemporânea do autor (fonte).

Sobre o Autor:

VILTO REIS supostamente cresceu em uma cidade do Sul do Brasil. Financiou um diploma de universidade por quatro anos e meio, tornando-se publicitário. Mas às vezes também acerta na vida, como ao criar o Homo Literatus, cocriar o podcast 30:MIN e a revista Pulp Fiction. Nas horas sórdidas, aliás, ele escreve contos que vão parar em lugares suspeitos feito revistas online, o livro “Projeto Beta” (2015) e o livro “Sentimentos à flor da pele”, mas podem ser apenas boatos. Assim como a notícia publicada no blog do Prêmio Sesc de Literatura, afirmando que seu romance “Um gato chamado Borges” foi finalista do prêmio em 2015.
A única coisa de que se tem certeza é que Vilto Reis é influenciado por pessoas que não se levam a sério, como Jesus, Kafka, Bob Marley e… (a continuação da bio estava em um rolo de papel higiênico que se perdeu) (fonte).