segunda-feira, 12 de maio de 2014

100 Motivos e Razões porque NÃO vou votar nas Próximas Eleições para as Europeias 2014 - Eleição para o Parlamento Europeu

Boletim de Voto Europeias 2014 Eleição para o Parlamento Europeu
Boletim de Voto Europeias 2014
Eleição para o Parlamento Europeu
(Cliquem para Aumentar)
AVISO: Esta lista não é um apelo para não votarem; penso que todos devem votar; é uma declaração de derrota.

Desde o dia em que estou recenseado sempre votei, com exepção das últimas eleições autárquicas, mas nessa ocasião porque não o pude fazer, devido a motivos geográficos - chamemos-lhe assim, aos motivos, para os metermos na ordem da topografia, e não começarmos já a chamar nomes feios à corja que se apoderou do Estado e dos Partidos. Quer isto dizer que falhei duas eleições após ter atingido a maioridade (nas primeiras ainda não estava recenseado, que não o fui logo fazer a correr no dia em que completei 18 anos - agora parece que o recenseamento é automático). Portanto, reduzindo a 100 motivos e razões, para que a lista não fique demasiado longa:

1 - Mais décima, menos décima, o resultado final será uma reprodução do mesmo resultado de sempre: ora ganhas tu, ora ganho eu, que as eleições em Portugal parecem aquela anedota dos agricultores, da vaca, e dos advogados - ganhamos os dois, nem que tenhamos que chamar outros comensais para a mesa;

2 - Nunca tive grande nem pequena fé nos políticos; porém foi a fé nos Portugueses que perdi - nunca gostei de escravos; menos ainda dos que se entregam solene e alegremente à mesma; se escravatura vos parecer demasiado, substituam por exploração, subserviência, ou outro vocábulo a vosso gosto;

3 - Por cada voto obtido os partidos recebem cerca de 3€ - vão ter que arranjar desculpa melhor que o meu voto para se financiarem;

4 - Poderia votar em branco, se a respectiva cadeira ficasse em branco; ou se porventura julgasse que ia acontecer assim qualquer coisa à la Ensaio Sobre a Lucidez;

5 - Poderia votar nulo, se me apetecesse chamar-lhes filhos da puta (com hífen e sem hífen) às escondidas;

6 - A única diferença entre PSD e PS é o D;

7 - O PCP bem se podia chamar Partido dos Conservadores Portugueses;

8 - Não perdoo ao Bloco de Esquerda a aliança com o PSD e o CDS/PP;

9 - O partido dos democratas cristãos nem é democrata nem cristão - é difícil determinar a qual dos dois foge mais;

10 - O PS anda à rasquinha para ver se arranja uma desculpa para se aliar ao PSD no sagrado consenso com a bênção do figurão de buliqueime - já nem disfarçam;

11 - Gosto do símbolo do Partido da Terra, porém um trevo não é motivo suficiente para lhes dar uma cruz;

12 - Estou farto de alternativas socialistas - não são alternativas nem socialistas;

13 - É simpático que exista um Partido pelos Animais e pela Natureza, mas o que precisamos é mesmo de um Partido pelas Pessoas - para os animais e a natureza já nos basta a União Europeia com as suas directrizes para a proteção da gravidez das porcas, condições de vida das galinhas nos aviários, e outras medidas bacocas do mesmo género;

14 - POUS soa-me a outra coisa, e vai-se a ver Operários é o que mais falta aos Partidos;

15 - Força José Manuel Coelho, estás quase lá - só me parece que se tivesses tanto de trabalhista como d'outras coisas...;

16 - O símbolo do Livre é uma Papoila pisada por um Panda? Chega de esquerdices, onde anda a Esquerda? Está partida em parte incerta;

17 - Um partido de onde saiu o Durão Barroso e outras aves de rapina e saltimbancos não pode ser grande coisa;

18 - Conheço uns tipos do Portugal pro Vida - olha, pró c.;

19- Partido Democrático do Atlântico - e é do Atlântico Norte ou do Atlântico Sul? Se fosse do Mediterrâneo ou da Atlântida, talvez;

20 - Partido Nacional Renovador - nem na extrema-direita temos um partido a sério - que eu não votaria em tal coisa nem a brincar;

21 - Não gosto de Monarquias, pronto. Vá, nos romances, quando são bem escritos;

22 - O Francisco Assis;

23 - O Paulo Rangel;

24 - O Paulo Portas e o Pedro Passos Coelho - estes aliavam-se a qualquer coisa, mas nunca por Portugal - talvez pela Alemanha, os bancos e os submarinos alemães, ou um cargo numa empresa qualquer feita na hora;

25 - Ainda não consegui determinar se o Bloco de Esquerda ficou bicéfalo ou acéfalo;

26 - O Jerónimo de Sousa não se terá enganado na vocação? Diabos me carreguem se não me parece que ouço um padre de cada vez que o oiço falar;

27 - A União Europeia acabou - passem-lhe a certidão de óbito - isto que há é outra coisa qualquer;

28 - Gosto muito de tragédias e comédias (principalmente as Shakespereanas), de farsas é que nunca gostei;

29 - O António Agarrem-me Senão José Vou-me a Eles Seguro;

30 - O Nuno Patriota quando está Calado Melo e a coisinha da vespa - que juntos não chegam a valer meio;

31 - Não gosto de fantoches - chateia-me votar para deputados e eleger banqueiros;

32 - Tenho 32 anos, número que não me parece nada cabalístico;

33 - Terei 33 anos, se lá chegar, quando forem as eleições; número que já me parece que tem qualquer coisa de cabalístico;

34 - Recuso-me a participar neste teatrinho de marionetes feito de uns poucos cidadãos só com direitos - e uns muitos só com impostos;

35 - Alguma vez hei-de acertar com a maioria, que ser sempre da minoria também cansa - estou pelo partido da abstenção;

36 - O Marcelo Rebelo de Sousa - o José Sócrates - e demais comentadores;

37 - O Durão Troika Não Barroso;

38 - Que todos somos um número, já o sabemos à muito - ser apenas a tão-só um número é que é arreliação a mais - e isto mesmo tendo em conta que gosto de Matemática;

39 - O Pedro Silva Pereira;

40 - Sei fazer contas, e faço uso desse conhecimento;

41 - Que gozem com a minha cara ainda vá que não vá - agora que gozem com a minha inteligência, já é demais;

42 - Isto já não vai lá (lá onde?) com votos - que anda tudo aos papéis;

43 - Mudam as Moscas, mas a Merda é a mesma;

44 - Ou muda a Merda, mas as Moscas são as mesmas;

45 - Ou a Merda é a mesma, o cheiro é que é diferente;

46 - Ou a Merda é diferentes, porém o cheiro é o mesmo;

47 - Seja como for, cheira mal;

48 - As piadolas pedantes do PSD com o Tribunal Constitucional; se pelo menos tivessem alguma coisa de ironia ou de paródia - mas nem isso;

49 - Manter-se um Governo à margem da lei há já três anos em funções: foram eleitos para governar neste país com estas leis, e mais não digo;

50 - Vendem (privatizam) o que é de todos;

51 - E fazem-nos pagar a todos o que é só de alguns (PPP's - tantos P's tem esta merda de país);

52 - As campanhas da Comissão Nacional de Eleições;

53 - É para que ninguém fale por mim que não boto o voto em ninguém;

54 - A União Europeia transformou-se num admirável mundo novo velho;

55 - Um conjunto de medidas sistemáticas visando a bonança de uns poucos à custa da miséria de todos os outros não é uma definição de democracia;

56 - Os Partidos não são um clube de futebol;

57 - Não gosto de claques;

58 - Este é um país de donos e de cães; não é um país para quem não queira ladrar, morder a mão, ou deitar a língua de fora;

59 - A única função objectiva que encontro nos partidos políticos portugueses é a de centro de emprego;

60 - Os partidos políticos portugueses não têm ideias - e desconfio que não têm ideologias, para além de um punhado avulso de vectores ideo-comportamentais cujo objectivo é a prossecução de metas individuais;

61 - Nos intervalos de falarem com vocábulos desconhecidos da população em geral, os políticos portugueses utilizam palavras cujo significado eles próprios desconhecem;

62 - A União Europeia não serve os interesses dos seus cidadãos; serve-se dos seus cidadãos no interesse de gigantescos grupos organizados, transformando as pessoas em meros autómatos higieno-eugenizados, formatados, e padronizados;

63 - As leis são escritas por e para quem delas tira proveito;

64 - Bem-comum é um termo que não existe no vocabulário dos políticos portugueses;

65 - Exceptua-se no ponto 60 duas ou três mãos cheias de naïfs, arrebatados, e fanáticos;

66 - Os políticos só falam de forma clara quando mentem;

67 - Quando falam a verdade fazem-no cripticamente, ou - pior - fazendo uso da novilíngua;

68 - Os jantares-comício; os brindes - calendários, porta-chaves, postais, canetas, etc.

69 - Servir a nação não é o mesmo que servir-se da nação;

70 - Para os políticos portugueses, liberalismo é sinónimo de liberalidade (para com os amigos, familiares e comparsas);

71 - Os políticos portugueses nomeiam-se juízes em causa própria;

72 - Sou defensor do voto - e das mudanças democráticas através do voto; mas há um momento em que as revoluções já não se podem operar por dentro;

73 - Presentemente, votar é compactuar com uma farsa.

74 - De democracia, se alguma vez algo mais houve, só resta o voto; votar é, portanto, corroborar a mentira;

75 - Do sonho europeu só resta um pesadelo burocrático;

76 - Martin Schulz;

77 - Jean-Claude Juncker;

78 - A Economia e as Finanças estão melhores (estão mesmo?), as Pessoas é que estão piores;

79 - Uma União Europeia que, com esforço, coloca as pessoas ao mesmo nível das mercadorias e dos capitais, não serve os seus cidadãos; os cidadãos devem estar sempre em primeiro lugar;

80 - Os vírus, as bactérias - e principalmente os parasitas;

81 - Angela Merkel;

82 - Votar não é um dever; é tristemente o único direito (esfarrapado) que resta;

83 - 16 alternativas e nenhuma alternativa;

84 - Se não podes vencê-los, junta-te a eles (este ponto é uma homenagem aos rifões do Sancho Pança);

85 - Os governos tecnocratas;

86 - Os referendos prometidos (e devidos) que não se realizam;

87 - Os referendos que se repetem até que o resultado seja o que eles querem;

88 - Os tratados assinados ao arrepio da vontade dos Europeus;

89 - O €uro, a paradoxal moeda donde não nos convém nem sair nem ficar; e onde fomos metidos ninguém sabe bem porquê (talvez os Alemães saibam);

90 -

91 -

92 -

93 -

94 -

95 -

96 -

97 -

98 -

99 -

100 -

Esta lista não é um apelo para não votarem; penso que todos devem votar; é uma declaração de derrota.


(continua, que agora vou-me a almoçar... podem deixar opções)

9 comentários :

  1. talvez não sermos governados por ninguém seja melhor opção ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto já não tem opções... Já não optas por nada - por um lado és fodido - pelo outro roubado - pelo outro enganado - pelo outro taxado - pelo outro... Que se fodam todos.

      Eliminar
    2. A melhor solução como pessoa normal é votar nos partidos fracos, eu vou mesmo votar no bloco por causa de ser uma mulher a Merkel faz as coisas bem lá para terra deles não se queixam enquanto aqui só entram mamões da máfia chinesa.

      Eliminar
    3. As pessoas só votam no PS e no PSD, porque são defecientes mentais, o nivel de intelegência é pior que um bêbé recém nascido. Deviam ter vergonha de porem a cruz aonde não devem votar e entrar para o governo. Só querem é dar luxo, ainda desconfio que portugal deve votar 70% nos partidos fracos e eles com um toque de luxo põe logo o PS com uma falsa percentagem... Eu fico de olho nestes corruptos se ganhar o PS ou o PSD tá tudo FEITO!

      Eliminar
  2. Obrigado pelo boletim de voto. Já o posso guardar para collecção, imprimir e limpar o cu com ele. XD

    ResponderEliminar
  3. Não votar é estúpido. Estás simplesmente a facilitar a vida aos partidos grandes. Haverá sempre governo mesmo que 90% da população portuguesa não vote. A solução que vejo para modificar alguma coisa é tentar convencer aqueles que não votam a votar num partido mais pequeno. Qualquer um, não é preciso ter uma razão lógica, basta ser só "gosto trevo ou do coraçãozinho que têm como símbolo". Se votarmos nos pequenos estamos a tirar percentagem aos grandes e deste modo a dificultar-lhes a vida para fazer governo.

    Se não queres dar o teu voto a alguém então vota branco ou nulo. Usa o papel que já lá está e escreve uma anedota, faz um origami, qualquer coisa. Pode não modificar para o nosso pais mas ao menos alegraste o dia ao pessoal que conta os votos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Branco, Nulo, ou Abstenção, na prática vai dar ao mesmo. Enfim, fui lá meter o papelinho...

      Eliminar
    2. Infelizmente os votos brancos ou nulos não têm qualquer significado. É por isso que nos temos que juntar (sobretudo os abstencionistas) e ir fazer um “voto organizado”. Isto é, um grupo de pessoas combina de antemão em quem vão votar.
      O objectivo é votar de forma equitativa em todos os partidos pequenos, para que não haja uns que se destaquem dos outros, ao mesmo tempo que tentamos impedir que os partidos que formam sempre governo (PS, PSD e CDS), não consigam juntos mais de 50% dos votos.
      Por partido pequeno refiro-me a partidos que nunca tiveram representação parlamentar, ou seja, estão excluídos PS, PSD, CDS, CDU (PCP/PEV) e BE.
      Organizarmo-nos será uma tarefa complicada, mas creio que com as redes sociais seja possível. A distribuição poderá ser feita por zonas de residência ou por números de eleitor. Por exemplo os números de eleitor do 25 000 ao 30 000 votam no partido X, os do 30 001 ao 35 000 votam no partido Y, e por ai fora até todos os partidos pequenos terem o mesmo número de votos.
      Antes de desistirmos acho que devíamos tentar todas alternativas. A abstenção já vimos que não resolve nada (6 milhões que não votam e fica tudo na mesma). O voto ainda pode ser uma arma temos é que saber usá-la.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...