segunda-feira, 24 de março de 2014

Mas Era Proibido Roer os Ossos, pelo Teatro do CalaFrio

Mas Era Proibido Roer Ossos, Teatro do CalaFrio, Teatro Municipal da Guarda, Carta ao Pai, Relatório a uma Academia, Franz Kafka
Mas Era Proibido Roer os Ossos
A partir de "Carta ao Pai" e "Relatório a uma Academia",
de Franz Kafka
Pelo Teatro do CalaFrio,
No Teatro Municipal da Guarda, 9 a 12 de Abril
(Clique para Ampliar)
A partir de "Carta ao pai" e "Relatório a uma Academia", de Franz Kafka.

Neste espectáculo cruzam-se dois textos de Frank Kafka, um dos autores mais importantes (e perturbantes) da literatura ocidental: “Carta ao pai” e “Relatório a uma Academia”.

“Carta ao pai”- Em 1919, Franz Kafka escreveu ao seu pai, o comerciante judeu Hermann Kafka, uma longa carta. Na missiva, que nunca chegou a ser enviada, o escritor exprime a sua mágoa em relação ao um pai severo e dominador, que o autor apelida de “autoritário”, "tirano", "rei" e "Deus". Esta peça literária é, sobretudo, uma obra de auto-análise. Kafka escreve sobre a educação perversa que recebeu, considerando que lhe destrui a auto-estima e o condenou ao medo de nunca corresponder às expectativas. Uma sinceridade extrema trespassa esta carta que nos fala, implacavelmente, da nossa fragilidade como humanos.

“Relatório a uma Academia”- Kafka narra a história de um macaco que decidiu tornar-se humano, através de um processo de imitação; fumar cachimbo, cuspir, falar, etc. Depois de domesticado o macaco entrou para um teatro de variedades e chegou a tornar-se uma vedeta no mundo dos espectáculos. Aos sérios doutores de uma Academia revela, no entanto, que “no sexo” continua a ser um macaco. O percurso do símio e da sua transformação são contados de forma "científica", com toques de cariz rocambolesco plenos de comicidade.

Sem comentários :

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...