segunda-feira, 21 de outubro de 2013

terça-feira, 15 de outubro de 2013

O EuroMilhões Fiscal

Euromilhões, Euromilhões Fiscal, Governo dá prémio a quem pedir factura
O Euromilhões Fiscal: Obviamente a nota é falsa - como o Governo.

Permito-me no entanto comunicar que não irei participar neste circo terceiro-mundista e continuarei olimpicamente a ignorar as facturas que me puserem à frente. No tempo corrente não pedir factura é um activo cívico e até uma forma benigna de desobediência civil.  (Fernando Lopes, Depois do chicote, a cenoura, no blog Diário do Purgatório)

O Governo de Garotos que supostamente governa Portugal encontrou um novo entretenimento - isto se não fosse triste, trágico, e cómico - daria um bom romance. Um daqueles romances que não cabe em nenhuma nomenclatura. Ficção Científica? Realismo Mágico? Literatura Fantástica? Terror? Tragicomédia? Fantasia? Não, isto só podia dar um mau romance, algo do género vampiro-erótico...

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

30:MIN #002 - Prémio Nobel da Literatura 2013: história, curiosidades, Alice Munro

30 MIN, Prémio Nobel da Literatura Curiosidades História Alice Munro

Alguma vez se perguntaram como será a voz deste vosso escriba? Agora podem ouvi-la. Está disponível nos sites Homo Literatus e Literatortura o podcast 30: MIN sobre o Prémio Nobel de Literatura, com a participação de moi-même... Vão escutar (se quiserem)...

domingo, 13 de outubro de 2013

Suíça, Escritores, Livros, Literatura

La Verité sur l'Affair Harry Quebert, Joël Dicker, Les Jeux de l'Amour et de la Mort, de Fred Vargas

Na minha última passagem pela Suíça, viajando entre Neuchâtel e La Chaux-de-Fonds, lia saboreando lentamente cada página de Os Idiotas que levara comigo, quando um simpático Suíço veio sentar-se ao meu lado, perguntado o que lia, que língua era, de que se tratava. Eles, os Suíços, normalmente até nem são muito (ou pouco) expansivos com desconhecidos. Lá lhe expliquei no meu fraco francês (não tão fraco assim, tem momentos, serve-me bem para ler e perceber o que me dizem, mas sempre tive alguma dificuldade, na aprendizagem de línguas, em começar a falá-las com à vontade) quem era o autor, de que tratava a história, qual era a língua em que estava escrito. Deve ser interessante, disse-me. De um assunto para outro, sempre à volta do tema da Literatura, dos livros e escritores, acabámos a falar dos escritores Suíços, que não eram os seus preferidos, gostava mais da literatura inglesa e francesa, mas falando de escritores Suíços era inevitável falar do bestseller do momento, Joël Dicker, e o seu romance La Verité sur l'Affaire Harry Quebert, vencedor de prémios em França, já traduzido em várias línguas, que ainda não tinha lido - nem eu! - mas que seria uma espécie de policial. Fred Vargas, disse-me, estava a viagem quase a terminar. Não é muito conhecida, mas eu gosto muito, disse, é arqueóloga, mas escreve uns policiais que se lêem muito bem, para ler descontraidamente. Vou procurar, prometi-lhe, enquanto nos despedíamos com um aperto de mão. Ao descer rapidamente a rampa da estação para apanhar a ligação para o meu destino, levantou o chapéu de abas para me acenar, com um sorriso, um último gesto de despedida. Provavelmente nunca mais nos voltaremos a ver. Dificilmente algum dia lerá este texto - como o leria, se não entende Português? - , leu apenas José Saramago, em francês, e conhecia Fernando Pessoa vagamente, nada mais - de qualquer modo aqui deixo a fotografia com o primeiro livro publicado por Fred Vargas, Les Jeux de l'Amour et de la Mort, e o bestseller do Suíço Joël Dicker. Em francês, no original.

Du kender deres mistro og had


Paris, Funcionário Cansado, Sentido Proíbido

Når du ta´r afsted
så vend dig ikke om
der´ ingen vej tilbage ,
hvorfra du kom
alle deres remser
dem kan du uden ad
du kender deres mistro og had...

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Zero à Esquerda, de Manuel Jorge Marmelo

Zero à Esquerda, Manuel Jorge Marmelo, Apresentação do Livro
Estão todos convidados para a Apresentação do livro «Zero à Esquerda», de Manuel Jorge Marmelo.


Actualização (14/10/2013): Entrevista ao autor na TKNT.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Alice Munro entrevistada pela NobelPrize.org

Vintage - Outro nome para «Chulice»

A Faca Não Corta o Fogo, Herberto Helder
Servidões, Herberto Helder



A Faca Não Corta o Fogo, de Herberto Helder, foi publicado em 2008, e rapidamente esgotou, o mesmo aconteceu com Servidões, publicado em 2013. A Faca Não Corta o Fogo foi logo depois incluído na obra Ofício Cantante - poesia completa, em 2009. Espera-se que numa próxima edição de Ofício Cantante, Servidões lhe seja acrescentado. Mas esgotou mesmo? Ou foi apenas comprado aos magotes por livreiros sem escrúpulos - mas ainda há quem os tenha? Quantos exemplares destas obras estão guardados em armazéns à espera de ser vendidos por 130€? Estado de Conservação: 5/5. Pois claro, se nem sequer chegaram a passar pelas mãos de ninguém. Saíram da editora (ou da tipografia) encaixotados para as livrarias que os haviam encomendado para pôr à venda... numa altura mais conveniente... Envelhecem depressa os livros... Muito Raro? Raríssimo, meus senhores, raríssimo. Não façam a coisa por menos. Mas não lhe chamem vintage, por favor, digam antes chulice.

Alice Munro: conheçam o Prémio Nobel da Literatura 2013!


«Master of the contemporary short story.»

Ganhou Alice Munro, conforme comentei aqui e aqui - se tivesse apostado poderia ter ganho umas belas coroas - mas não apostei, que não há dinheiro para livros, quanto mais para apostas. Alice Munro é a primeira escritora Canadiana a receber o Prémio Nobel da Literatura, e a 13.ª mulher, em 110 Prémios Nobel da Literatura, e em 112 anos de história. É considerada uma das melhores contistas da actualidade, como vinca a pequeníssima declaração da Academia Sueca. Em Portugal estão publicadas as seguintes obras (todas pela editora Relógio D'Água): Fugas (2007); O Amor de uma Boa Mulher (2008); A Vista de Castle Rock (2009); Demasiada Felicidade (2010); O Progresso do Amor (2011); e Amada Viva (2013).

Notícias sobre o Prémio Nobel da Literatura atribuído a Alice Munro: Nobel Prize Official Web Site; Público; DN; El País; The New York Times; The Guardian; El Mundo; Le Monde; Folha de São Paulo; BBC; Globo.

Assistam em Directo ao Anúncio do Novo Prémio Nobel da Literatura



Anúncio oficial marcado para as 13h00 de Estocolmo (12h00 em Lisboa, 08h00 em Brasília)

12h30 (hora Paris): Faltam 30 minutos para o anúncio oficial do novo Prémio Nobel da Literatura (a esta hora, se a Academia Sueca o/a conseguiu contactar, o/a novo/a laureado/a já tem conhecimento!). Assistam aqui em directo ao anúncio: http://tinyurl.com/prwz7zp

Luiz Ruffato: discurso proferido na abertura da Feira do Livro de Frankfurt.

Luiz Ruffato, Feira do Livro de Frankfurt, Discurso de Aberturta


Leiam na íntegra o discurso de Luiz Ruffato na abertura da Feira do Livro de Frankfurt:

«O que significa ser escritor num país situado na periferia do mundo, um lugar onde o termo capitalismo selvagem definitivamente não é uma metáfora? Para mim, escrever é compromisso. Não há como renunciar ao facto de habitar os limiares do século 21, de escrever em Português, de viver em um território chamado Brasil. Fala-se em globalização, mas as fronteiras caíram para as mercadorias, não para o trânsito das pessoas. Proclamar nossa singularidade é uma forma de resistir à tentativa autoritária de aplainar as diferenças.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Prémio Nobel da Literatura 2013: porque é que empresas de apostas acertam onde os especialistas em Literatura falham?

Verso da Medalha entre aos vencedores do Prémio Nobel da Literatura.
Verso da Medalha entregue aos vencedores do Prémio Nobel da Literatura.
Prémio Nobel de Literatura 2013: Os favoritos costumam ganhar?

Porque é que as empresas de apostas acertam onde os especialistas em Literatura falham? É uma questão da teoria da probabilidade, um engenhoso trabalho de detective, ou fugas de informação? O jornalista sueco Axel Björklund foi investigar o jogo por detrás deste jogo de apostas. Como imagino que provavelmente a maioria dos meus queridos leitores não percebe Sueco, tive que recorrer aos meus contactos, que eu também pouco percebo. Um interessante artigo, numa tradução livre:

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Svetlana Alexievich e Jon Fosse - fortes candidatos ao Prémio Nobel da Literatura 2013?

Jon Fosse, Candidato ao Prémio Nobel da Literatura, Favorito ao Nobel da Literatura,
Svetlana Alexievich, Svetlana Aleksijevitj, Candidata ao Prémio Nobel da Literatura, Favorita ao Prémio Nobel da Literatura


Nas últimas horas surgiram dois nomes como fortes candidatos a ganhar o Prémio Nobel da Literatura 2013: o Norueguês Jon Fosse, considerado um dos melhores dramaturgos da actualidade, e a jornalista e escritora Biela-Russa Svetlana Alexievich, que se foca em temas como a guerra, os desastres nucleares, e o período pós-soviético. As casas de apostas estão em ebulição, quando faltam apenas dois dias para o anúncio oficial do Prémio Nobel da Literatura 2013.

Avô deserda Filha por ter Discriminado Neto Gay

Letter from a Dad to her Homophobic Daughter, Carta de um Pai para a sua filha homofóbica
Avô deserda Filha que discriminou Neto homossexual. Via FCKH8.
Querida Christine,

Estou desapontado contigo, como filha. Tu estás correcta acerca de "termos uma vergonha na família", mas enganada acerca do que é a vergonha.

Expulsar o Chad da tua casa apenas porque ele te disse que é gay é a verdadeira "abominação" aqui. Um pai renegar os seus filhos é que é "contra-natura".

A única coisa inteligente que te ouvi dizer nisto tudo foi que "tu não criaste o teu filho para ser gay". É claro que não. Ele nasceu assim e não escolheu ser gay da mesma maneira que não escolheu ser canhoto. Tu, por outro lado, escolheste magoar, ser tacanha e retrógrada. Assim, agora que estamos no negócio de renegar os nossos filhos, penso que vou aproveitar o momento para te dizer «Adeus». Agora tenho um neto fabuloso (como dizem os gays) para criar, e não tenho tempo para palavras cruéis de uma filha.

Se encontrares o teu coração, telefona.

Pai.

(Tradução livre)

domingo, 6 de outubro de 2013

Prémio Nobel da Literatura 2013: círculos bem informados de Estocolmo

Nobel Prize in Literature medal, Medalha Prémio Nobel da Literatura
Medalha Prémio Nobel da Literatura
 
Começam amanhã a ser divulgados os Prémio Nobel 2013. Primeiro a Medicina, e lá para terça ou quarta-feira chega a Literatura.

Por falar em literatura. Este ano, a Academia sueca recebeu 195 propostas de todo o mundo. A recepção fechou em Março. Desses 195 nomes, a Academia considerou 48. Este considerar não tem nada a ver com a maior ou menor relevância do autor. A formalização da proposta obedece a critérios que têm de ser respeitados. A 30 de Maio foram escolhidos os cinco nomes da shortlist. Essa shortlist é secreta mas, nos círculos bem informados de Estocolmo, especula-se que possa ser composta pelo israelita Amos Oz, 74 anos; o austríaco Daniel Kehlmann, 38 anos; os americanos Don DeLillo, 76 anos [em Novembro fará 77], e Jonathan Franzen, 54 anos; e o judeu-húngaro Imre Kertész, 83 anos [em Novembro fará 84]. A ver vamos. Por mim, tenho muita pena que o italiano Claudio Magris, 74 anos, não entre nestas contas.

Eduardo Pitta, no blog Da Literatura.

Os círculos bem informados de Estocolmo já não são nada do que eram; então não sabem eles que o judeu-húngaro (que raio de nacionalidade é esta?) Imre Kertész já ganhou o Prémio Nobel da Literatura em 2002? Ah, e se a tradição se mantiver, o Prémio Nobel da Literatura é anunciado na próxima quinta-feira, dia 10 de Outubro de 2013. Terça-feira será anunciado o Prémio Nobel da Física, e Quarta-Feira será anunciado o Prémio Nobel da Química: estas datas, ao contrário da data do Prémio Nobel da Literatura, não são segredo para ninguém, e são conhecidas oficialmente desde dia 08 de Abril de 2013. Há por aí quem fale do norueguês Jon Fosse, mas se calhar são só apostas especulativas... E... em jeito de curiosidade, a último vencedor do Prémio Nobel da Literatura pela segunda vez... estava morto... Chamava-se Erik Axel Karlfeldt, era Sueco, e recebeu-o (pela segunda vez) em 1931. Tinha-o recusado em 1919 (o nome nem aparece na lista oficial) por ser o secretário permanente da Academia Sueca. Mas a Academia Sueca havia de lho dar à força - deu-lho pouco depois de ter morrido, que assim já não o podia recusar... E... também em jeito de curiosidade, já não se atribui postumamente o Prémio Nobel da Literatura, nem o da Literatura, nem nenhum outro, por decisão do Comité Nobel, em 1974. Exceptua-se esta regra se o laureado morrer entre a data do anúncio e a data da entrega.

Rui Machete: uma mão lava a outra...

Rui Machete, Ministro dos Negócios Estrangeiros

...e ambas lavam a cara: Passos segura Machete, Cavaco elogia Procuradora; António José Seguro exige a demissão, violentamente, com certeza. E no fim vão todos celebrar.

P.S. - Querem ver que um dia destes somos obrigados a pagar para poder pagar aquilo que nos extorquem? Devem querer privatizar as finanças.

Banksy in New York

Banksy, New York, Graffiti

Banksy andará durante um mês a fazer das suas pelas ruas de Nova York, ou melhor, pelas paredes, embora as ruas e outros objectos também possam não ficar indiferentes à sua passagem. A imagem acima já foi vandalizada, mas é duma singela beleza. Nela há a amizade, a traquinice, a cumplicidade, a cooperação, a inocência - e o pé descalço. Nada melhor, ao chegar ao Estados Unidos, que começar por uma imagem que (me) recorda o Tom Sawyer e o Huckleberry Finn.

sábado, 5 de outubro de 2013

Primeiras Edições Fac-Similadas: 500 anos da Biblioteca da Universidade de Coimbra

Colecção Primeiras Edições Fac-Similadas, 500 Anos da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Público, Livros, Autores

Colecção Primeiras Edições Fac-similadas. À venda com o Público, um pasquim que já foi jornal, mas que, ainda assim, de quando em quando, continua a ter boas iniciativas. São 16 títulos os escolhidos para integrar esta colecção, que fica por 91,20€ (mais o preço do jornal); a colecção pretende celebrar os 500 anos da Biblioteca da Universidade de Coimbra (a minha alma mater). A colecção começa no próximo dia 8 de Outubro, com a inevitável primeira edição de "Os Lusíadas", 1572, de Luiz Vaz de Camões. Este primeiro livro tem um custo reduzido em relação aos restantes, custando "apenas" 1,95€ (mais o preço do jornal). "Apenas" que nos tempos que correm tudo é caro - e não haver dinheiro, sequer, para uma pequena preciosidade assim, é uma dor d' alma. 

Os restantes título, como curiosidade, para quem esteja interessado, e não tenha outras contas para pagar, custam 5,95€ (mais o preço do jornal), e são: História do Futuro, 1718, do Padre António Vieira; Mau Tempo no Canal, 1944, de Vitorino Nemésio; O Crime do Padre Amaro, 1876, de Eça de Queiroz [dia 29 de Outubro. Não sei como vou fazer, até porque de momento não estou em Portugal, mas tenho que ter este, ai se tenho...], Portugal na Balança da Europa, 1830, de Almeida Garrett; Esteiros, 1941, Soeiro Pereira Gomes; Nome de Guerra, 1938, de José de Almada Negreiros; A Confissão de Lúcio, 1914, de Mário de Sá-Carneiro [Ai ai]; Portugal Pequenino, 1930, de Maria Angelina e Raul Brandão; As Praias de Portugal, 1876, de Ramalho Ortigão; Fado, 1941, de José Régio [*suspiro*]; , 1892, de António Nobre; Contarelos, 1942 de Irene Lisboa (com ilustrações de Ilda Moreira); Grandes Aventuras de um Pequeno Herói, 1946, de Natália Correia; Mensagem, 1934, de Fernando Pessoa [Está visto que tenho que ir mendigar para algum lugar]; Coração, Estômago, e Cabeça, 1862, de Camilo Castelo Branco [Já não tenho nem coração que aguente, nem estômago que suporte, nem cabeça entenda, esta merda de mundo].

Isto não é uma Comunidade...

Isto não é uma Comunidade, Esto no es una comunidad, Europa, União Europeia
Erlich, El País.
E isto não é um Presidente...

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

434035 Pageviews!

Estatísticas Blog, Blogómetro, Pageviews, Audiência

No momento em que começo este post gabarolas, o blog atingiu as 434 035 pageviews! No passado mês de Setembro foram batidos todos os records, tendo chegado às 68 528 pageviews. Este post já parece aquelas notícias a abrir o noticiário da TVI com as audiências, portanto fico por aqui. 

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Afundação Joana Vasconcelos

Joana Vasconcelos, Helicópetro, Palácio da Ajuda, Portugal, Fundação Joana Vasconcelos
Joana Vasconcelos junto de uma das suas obras d'arte na sua exposição no Palácio da Ajuda.
Foto de Rui Gaudêncio, Público.

Torna-se por vezes complicado distinguir entre a obra de arte e o artista - quem é o quê? Suponho que a obra de arte seja a Joana Vasconcelos - menina, dobre a consoante, que fica muito mais artístico - e o artista, ou os artistas, que uma obra de arte desta complexidade, está-se mesmo a ver, é obra demasiado complexa, perdoem a redundância, para as mãos de um obreiro apenas, estava eu a dizer, os artistas são os catraios do governo, aqueles loucos megalómanos que queriam acabar com fundações e outras despesas inúteis que parasitam o Orçamento de Estado - como a Despesa pública com saúde, e a Despesa pública com educação - inutilidades que outra Fundação faz o favor de nos evidenciar, a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Dezembro frio, calor no estilo...

Quem quer ser Milionário, Manuela Moura Guedes, triste, ridículo, Dezembro frio Calor no Estilo, Dezembro Frio Calor no Estio

Isto é bom demais - ironicamente, no sentido de ser uma tristeza, um ridículo risível -, a Manuela Moura Guedes até apagou o post do facebook, mais uma razão para que seja preservado, para memória futura. A Manuela Moura Guedes pensa que tem muito estilo, ou será apenas dos calores de um Dezembro quente?

Esclarecimento
Ora então, fazer críticas sem a preocupação de saber se, de facto, o conhecimento que se tem é suficiente para o fazer parece-me triste. Há dois provérbio sobre o "Dezembro com frio...", um mais conhecido, ligado ao Estio, outro ligado ao estilo. São, pelo menos, 10 as fontes que sustentam esta afirmação, o que inclui o site da Literatura! Foi escolhido no "Quem quer ser milionário" o provérbio menos conhecido porque a concorrente já estava a responder a uma pergunta de nível 8, mais difícil. Provavelmente seria outro, o do Estio, se estivesse num nível mais baixo. Relativamente ao significado de cada um dos provérbios não é coisa que me preocupe por aí além. Têm origem num conhecimento que não é científico, é meramente popular, fruto da observação do povo e que ao longo dos tempos vai fazendo uma evolução dos seus próprios "dizeres". O que me parece de um ridículo é fazer considerações sobre gaffes e coisas afins partindo do princípio que "Estio" não faz parte do vocabulário de qualquer português com uma formação académica normal. Valha-nos esta erudição!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

E-books vão matar a Literatura?

O herói discreto, Mario Vargas Llosa, Edição Brasil, Alfaguara, ebook, e-book
O herói discreto, de Mario Vargas Llosa
Capa da Alfaguara Brasil

Como sabem, ou talvez não saibam, nunca se sabe, os escritores também cagam, também fodem, também se peidam, e também, imaginem, comem e bebem, e têm contas a pagar. É triste que assim seja, mas é. O herói discreto, de Mario Vargas Llosa, acaba de ser lançado no Brasil, edição da Alfaguara/Objectiva. No próprio dia do lançamento chega-me ao e-mail, sem que eu o tenha pedido, ou procurado, o .pdf integral da obra. Direitos de Autor?

Fundação Francisco Manuel dos Santos: uma vergonha

Fundação Francisco Manuel dos Santos, António Barreto, Manuel António Pina, Consciência Limpa, Despesa pública, educação, saúde


Nas suas actividades, a FFMS procura pautar-se por critérios de mérito e pluralismo e compromete-se a assegurar uma rigorosa independência de vínculos políticos, partidários, religiosos e económicos.

António Barreto, Presidente do Conselho de Administração. 

Fui ao site Pordata, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, um site útil para encontrar dados de outras entidades, mas todos reunidos num único local. Eis senão o meu espanto, quando constato [conforme podem ver no site, ou na imagem abaixo, de que fiz print screen] que no canto inferior direito está um contador com dois indicadores, supostamente em tempo real: Despesa pública com educação [Hoje]; e Despesa pública com saúde [Hoje]. É esta a independência de vínculos políticos, partidários, religiosos e económicos da Fundação Francisco Manuel dos Santos?! Não sou idiota, ignorante, naïf, ao ponto de pensar que sim, que a Fundação Francisco Manuel dos Santos, é independente seja do que quer que for. Só não gosto que gozem com a minha cara. O mínimo que se exige é que estejam calados. Hipócritas.

É que se tivessem também a Despesa pública com PPP, Despesa pública com juros da dívida; Despesa pública com fundações; Despesa pública com resgate a bancos; Despesa pública com contratos por ajuste directo a sociedades de advogados de amigos; etc, etc, etc, eu até me calava. Mas assim é demais. Estes tipos não têm mesmo vergonha nenhuma na cara.

E porque não colocarem um contador em tempo real dos impostos que a JERÓNIMO MARTINS não pagou, por ter habilidosamente uma morada fiscal na HOLANDA?!?