quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O Idiota C'Est Moi*

Os Idiotas, Rui Ângelo Araújo, Eduardo Ferreira, Ilustração Capa
Evolução da ilustração da capa d'"Os Idiotas" - Ilustração de Eduardo Ferreira.

Prometo não voltar a ser chato, caríssimos leitores, e estimadíssimas leitoras, mas quando gosto muito de um livro, não me canso de o anunciar aos sete ventos, ide, ide comprá-lo, que eu não empresto o meu exemplar. Deixo-vos com o texto do autor escrito como cábula para o lançamento e desaparecido em parte incerta quando poderia ser útil.

Locais de Venda:

- Pátio de Letras (Faro)
- Fonte de Letras (Évora)
- Ler Devagar (LX Factory, Lisboa)
- Vila Literária (Óbidos)
- Lápis de Memórias (Coimbra)
- Traga-Mundos (Vila Real)
- Aguiarense (Vila Pouca de Aguiar)
- Centésima Página (Braga)
- Livraria ContraCapa (Castro Verde)
- Loja Invulgar (Castro Verde)
- Gato Vadio (Porto)

*Texto do autor escrito como cábula para para o lançamento e desaparecido em parte incerta quando poderia ser útil:

Ao contrário do que possa parecer, sobretudo por estarmos a lançar ‘Os Idiotas’ numa altura de eleições, o título do romance não nasce da minha vontade de insultar políticos. (Algumas partes do livro talvez nasçam da vontade de me rir de políticos, mas não o título.)
As pessoas têm-me perguntado quem são os idiotas do meu livro. Julgo que procuram antecipar o gostinho de ver confirmada uma certa imagem do sistema político português, aliás não desmentida pela campanha — da editora. Isso parece-me uma expectativa natural, e por si mesma uma evidência do descrédito que o sistema merece. Ou então do gosto das pessoas pelo vilipêndio, nunca o subestimemos.
O livro não desapontará quem o aborde por este ângulo bicudo e seja paciente. Mas trairia os meus idiotas se não viesse em sua defesa. O autor sente afecto por eles e isto não é síndroma de Estocolmo, mesmo que seja verdade que as personagens de um livro nosso possam sequestrar-nos a alma por tempo indeterminado. Alguns daqueles que venham a ler o romance fá-lo-ão com menor ou (decerto) maior ânimo de encontrar os seus idiotas, figuras grotescas, oportunistas, corruptas e mal-intencionadas. E encontrá-las-ão. Mas quem sabe não descobrem também os meus idiotas. E, com as subtilezas da semântica, o espelho da rainha da Branca de Neve e a prolixidade que um dicionário de sinónimos pode conter: «O que quer que sejamos, somo-lo por oposição aos cretinos, que são o resto das pessoas», diz o protagonista do romance. E, como acrescenta a editora, se calhar diz bem.
‘Os Idiotas’, como a grande parte da literatura universal, surge da vontade de contar e inventar histórias. Não é um libelo político, não é um panfleto ideológico, não é a mecha de um cocktail molotov (bem, digo isto apenas porque é triste quando vemos os nossos textos impressos embrulharem o peixe ou acenderem a fogueira de um churrasco; quem já escreveu em jornais sabe que isso pode ser mais frequente do que ser lido).
‘Os Idiotas’ é em grande medida um divertimento, uma paródia, uma sátira. Mas é tudo isto à custa da pura humanidade dos seus personagens. Em ‘Os Idiotas’, pequena comédia humana, o que mais há é ilusões, desapontamentos, frustrações, vícios, precipitações, raivas, equívocos, tolices, renúncia — e confronto com memórias. Um monte de coisas geralmente tristes que acontecem às pessoas nas suas vidas. Mas que não vão necessariamente indispor os leitores. Talvez até os divirtam. Mérito de Lúcio, um ser em franco declínio, muito por acção própria, mas que resolve não se preocupar com isso (diz ele.) E que resolve achar divertido e até desejável o declínio do seu próprio país, um local mal frequentado que se escreve com três sílabas apenas: Bồ Đào Nha.
Lamento desiludir quem esperava que aqui se dissesse Portugal. Mas já deviam saber, a literatura por vezes inventa os seus próprios territórios. Não tem é culpa que o mundo resolva imitar a literatura. Neste sentido, dizer que ‘Os Idiotas’ é uma distopia seria menosprezar muito a realidade. Não só existem homens como este Lúcio e os malucos dos seus amigos, como existem países iguais a Bồ Đào Nha.
Nesta disputa entre um homem e o seu país, diria que o homem ganha: consegue cair mais fundo do que o país. (Não se esqueçam de que estamos a falar do livro…) A grande questão será perceber se ele cai mais fundo por causa do território ou se isso acontece por causa de uma mulher.
Há uma mulher, claro. Permitam-me citar a sinopse: «Os idiotas poderiam ter permanecido assim, em desequilíbrio perfeito, para sempre, mas a chegada de Helen, uma mulher misteriosa e dorida, vem catalisar o inevitável.»
Não vou desvendar o que vem catalisar esta misteriosa Helen. Mas vou destacar o seu papel no romance. Porque o Lúcio é um palhaço, não tem sido fácil à editora O Lado Esquerdo fazer campanha pela Helen: os histriónicos ocupam sempre mais espaço nas campanhas, mesmo nas das editoras. Mas a história de Helen não é menos importante do que a de Lúcio. Pelo contrário: a sua história poderia existir literariamente sem a do Lúcio. O encontro dos dois só é relevante para ele. A história de Helen poderia ter sido tratada num romance autónomo — e talvez eu o devesse ter feito se quisesse realmente ser mais respeitado como escritor do que como «o antigo criador da revista ‘Periférica’».
Sim, há muito de ‘Periférica’ neste livro. Quem conheceu a revista vai dar-se conta.
‘Os Idiotas’ é na verdade o meu terceiro romance. Escrevi-o desta forma, com esta textualidade, este sarcasmo tonto, um pouco em oposição aos outros dois livros. Que por sua vez se tinham querido afastar do estilo ‘Periférica’. Mas parece que não resisti a voltar à chalaça e à malícia. No rol do seu grupo de idiotas, o Lúcio conta seis elementos — porque se esqueceu de incluir o autor. Se me permitem a citação pedante de Flaubert: o idiota c’est moi. Mas estou disposto a partilhar o estatuto com todos os que quiserem ler o livro.

Mais informações sobre Os Idiotas:

- Site: www.osdiotas.pt
- facebook livro: www.facebook.com/osidiotaslivro
- facebook narrador: www.facebook.com/luciopeixao
- Blog autor: Os Canhões de Navarone.

2 comentários :

  1. Pronto, eu leio o livro, prometo...hehehe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo um livro muito bom... Acabei a minha leitura há bastantes dias já e, em breve, espero fazer um post a fazer a minha análise...

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...