segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Heineken - The Candidate




Não sei se já conhecem este vídeo. A Heineken decidiu realizar um processo de Recrutamento & Selecção inovador, com uma Entrevista original. Estratégia de Marketing? Talvez. «Todas as Entrevistas são iguais. As mesmas perguntas. As mesmas respostas.»

As 10 perguntas mais frequentes numa entrevista de emprego:


Fala sobre ti. Entrada violenta a pés juntos. O lado emocional a querer falar, a infância feliz ou infeliz que se teve, a avó que nunca se esqueceu, aquele amigo que nunca mais voltámos a ver, as dificuldades e sacrifícios por que se passou para tirar o curso, o curso que já não se sabe se serve para alguma coisa. Persistente, é isso, persistente. Depois de enviar duzentos currículos (curricula vitae), e ter recebido duas ou três respostas negativas, finalmente uma entrevista. Resistente ao stress, como podem ver. Finalmente uma entrevista, e o que tens que fazer é encontrar em dois ou três minutos, de forma clara, coerente, e concisa, características tuas - cujos substantivos agora ignoras - que sejam relevantes e relacionadas contigo e com a vaga para que concorres. É a emoção que decide, mas é a razão que deves utilizar. Não há nenhum árbitro a ver, nenhum fiscal de linha. Apenas um adversário implacável, farto de fazer as mesmas perguntas e ouvir as mesmas respostas, convencido que a sua experiência lhe permitirá escolher o melhor de forma objectiva. Provavelmente, se fores o escolhido, é porque gostou do teu nó da gravata, da maneira como sorris, ou do aroma do teu perfume.

Quais são os teus pontos fortes. Quais são as tuas fraquezas. Nalgumas entrevistas as duas perguntas são feitas numa só, noutras são feitas em separado. É como dizer a um adversário num combate de boxe por onde deve atacar. Por isso os pontos fortes têm que ser mesmo fortes, ou ter a força necessária para convencer o adversário que por ali não deve atacar. Deves demonstrar que tens as qualificações que são pedidas para aquela vaga, e juntar-lhe mais algumas que consideres relevantes para a função. Embora que depois de tanto tempo sem uma resposta a uma candidatura há muito que coloques em questão se tens alguma qualificação, se serves para alguma coisa, deves fazer tudo para o não deixares transparecer. Estás em jogo, o adversário não deve perceber que não tens ido aos treinos. E as tuas fraquezas? És teimoso, és, toda a gente é. E demasiado organizado, e muito pontual. Fala de qualquer coisa que não tenha interesse nenhum para a vaga. Mas por favor, não sejas honesto. Não digas ao adversário que te dói o ombro esquerdo, porque se ele descobre é aí que vai socar, sem apelo nem agravo. Diz-lhe antes que a tua mão esquerda é pouco ágil, engana-o, para que quando ele te atacar por aí ter um bela surpresa.

Porque queres trabalhar nesta empresa. Estás desesperado por trabalhar depois de meses e meses a bater com a cabeça nas paredes, sem ver uma luz ao fundo do túnel, sem dinheiro para nada, para nada mesmo, estás desesperado. Mas ele não pode saber, descontrai, sorri, elogia a empresa, a sua reputação, a maneira como os objectivos, valores, visão, e política da empresa encaixam perfeitamente nos teus. És a pessoa certa para o lugar certo, nunca te esqueças disso, mas não exageres, não puxes demasiado o lustro aos sapatos. Com descontração, mas não muita. Tens que estar sempre no ponto, nem de mais nem de menos. Ou lá se vai a tua máscara levada numa corrente de lágrimas. Ninguém quer saber se tens filhos para alimentar, contas para pagar. Ninguém quer saber se a empresa serve para ti, para satisfazer as tuas necessidades. O importante é que tu sirvas para a empresa e para as suas necessidades, demonstrando ao mesmo tempo que isso te satisfaz. Porque também ninguém quer um trabalhador insatisfeito.

Porque deixaste o teu último emprego. Que último emprego, pensas, aquilo não era um emprego, eras explorado até ao tutano, deste tudo, fizeste horas que nunca ninguém te vai pagar, deste o que tinhas e o que não tinhas, abdicaste da tua vida pessoal e familiar, abdicaste da tua vida social, era trabalho casa comer cama trabalho casa comer cama, dia após dia, sem tempo para ti e sem dinheiro ao final do mês, e no fim a empresa deu-te um pontapé no cu, fecharam as portas e foram explorar para outra freguesia, negociando cada cêntimo que te deram de indemnização, se é que não fugiram e te ficaram a dever dinheiro. Mas isso não importa. Nunca fales mal do teu último emprego, do estupor do teu chefe, dos colegas insuportáveis, do trabalho idiota que tinhas que fazer. És um empreendedor, ambicioso, procuras sempre atingir novas metas, um lugar melhor, numa empresa com elevada reputação. Mais uma vez não exageres na graxa. Não é uma empresa nova, praticamente desconhecida, aquela a que te estás a candidatar? Ah, gostas de novos desafios, muito bem.

Conta-nos o que sabes sobre a nossa empresa. Pois é, pois é. É por isso que deves ir aos treinos, é por isso que a palestra do treinador é importante. Tens que conhecer o adversário, ou vais ficar às aranhas. Então candidatas-te a uma empresa que nem sequer sabes o que vende ou fabrica ou negoceia. Assim parece que caíste ali de pára-quedas. Estás de repente no meio de um palco, e estão a representar uma peça diferente daquela que tu decoraste na noite anterior. Então confundes William Shakespeare com Luigi Pirandello? Não pode ser. Tens que conhecer bem a peça em geral, e o teu papel tens que o ter na ponta da língua. Isso, fala sobre a empresa, a sua história, como se insere na comunidade, como é importante aquilo que produz, e demonstra que sabes muito bem aquilo que vais fazer, embora não faças a mínima ideia do que te espera.

Do que mais te orgulhas. De ter assistido ao jogo em que o Benfica se sagrou campeão? E já pensaste se o adversário é Portista? De ter um filho lindo, lindo de morrer, o mais lindo do mundo? Olha, já nem te está a ouvir, estás a ver ali aquela foto na secretária? Pois. Orgulhas-te de ter sido o primeiro classificado no regional de corta-mato de juniores do Desporto Escolar? Mas estás a candidatar-te para serralheiro mecânico ou para a secção de atletismo da Associação Recreativa lá da terrinha? Vá, fala lá dos projectos que te orgulhas de ter desenvolvido no  teu antigo emprego, ou daquele projecto inovador em que participaste na faculdade. E não te esqueças de mostrar que são coisas que poderão ser úteis para a empresa. A não ser que queiras ser o primeiro a fugir quando a empresa começar a arder, não importa quão depressa consegues correr. Não és um cobarde, enfrentas as adversidades de frente, embora tremas por dentro.

Fala-nos de um obstáculo que tiveste e como conseguiste superá-lo. A vida corre-te às mil maravilhas, e nunca tiveste um obstáculo? A não ser que tenha sido cunha do paizinho, e que a entrevista não passe afinal de uma amena cavaqueira com o administrador, para assinares contrato no final, de certeza que passaste por centenas, milhares de obstáculos. Pensa lá bem, que não queremos aqui ninguém que à primeira contrariedade vai a correr para a saia da mãezinha. Gostamos de pessoas que sabem resolver problemas, lidar com a pressão, que sabem comunicar. Nem sequer penses em ir à entrevista sem levar dois ou três obstáculos. Quem não tem cão, caça com gato. 

O que esperas estar a fazer daqui a 5 anos. O que tu nunca esperaste foi nunca ter tido um emprego minimamente estável, trabalhares em tudo e mais alguma coisa menos aquilo para que estudaste. Esfolar o corpo e a mente para chegar ao fim do mês a contar os dias em vez de contar notas de banco. Nunca esperaste investir na tua educação para chegares agora à conclusão que não te serve para nada. Nunca esperaste chegar à conclusão que só andaste a perder anos da tua vida. Sim, o conhecimento nunca é demais, mas não enche a barriga. Chegar a este ponto da vida e estares a pensar como é que conseguirás sobreviver mais uns anos, não quereres nem pensar no que será a tua vida daqui a três ou quatro meses, quanto mais cinco anos. A vida é injusta, todos sabemos. Mas deixa-te lá de lamurias que não estás na Santa Casa da Misericórdia, nem vieste pedir esmola. És uma pessoa ambiciosa, com visão. Consegues projectar o futuro, antecipar o que vai acontecer. Esperas estar a trabalhar na empresa, e mal podes esperar por começar a desenvolver as funções a que te candidatas, para que a empresa possa crescer, e tu com ela.

Quais são as tuas expectativas de salário. Ai, era tão bom ganhar três ou quatro mil euros, pagava aquela maldita daquela prestação e ainda comprava um carro novo, ia de férias, mudava a mobília da sala e da cozinha. Ou se calhar comprava uma vivenda, com jardim e piscina. É melhor seis ou sete mil euros, porque se calhar só três mil não chegam. Pois era, era tão bom. E sabes quanto é que as pessoas da tua idade, com a tua experiência, e com as tuas habilitações estão a ganhar? Pois investiga, pergunta a alguém. Ninguém gosta de dizer quanto ganha, mas pede para te dizerem um valor aproximado. O salário mínimo?!? Que ultraje, depois de licenciatura, mestrado, pós-graduação! Tens pais ricos? Tens amigos influentes? Tens cartão de militante? Então enfia a tua licenciatura no bolso e pede um pouco mais que o valor de referência, se julgas sinceramente que a empresa to pode pagar ou está disposta a fazê-lo. Talvez tenhas sorte. É o país que temos! É o mundo em que vivemos. Se tiveres uma cara linda, talvez ganhes mais um pouco. Talvez. 

Quanto à Heineken, não sei se é apenas marketing, sabendo de certeza que também o é - claro. Não gosto de fazer publicidade gratuita - mas também não é grande a publicidade num blog com tão pouca audiência. E eles merecem. Nem que seja por nos fazerem sonhar um pouco, sair dos nossos dias asfixiantes, sem grandes expectativas de futuro. Prometo que da próxima vez que pedir uma cerveja, será Heineken.


(Sim, o meu sonho, profissionalmente, é trabalhar em Recursos Humanos. Se alguém me quiser contratar, aceito propostas para qualquer parte do mundo).

5 comentários :

  1. O vídeo é excelente.
    E tudo o que dizes é importante.
    Só falta falar num dado nada desprezível; se levares uma boa cunha estarás mais perto do emprego pretendido, pois podes ter a certeza que os outros também a terão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... não tenho cunha de qualquer espécie para nada, nem boa nem má. E refiro-me a «elas» no texto... Abc.

      Eliminar
    2. Excelente! O vídeo e o post! Dá uma raiva enorme certos 'conselhos' paternais, e tantas armadilhas...

      Eliminar
  2. Vou deixar este post no fb, como está no twitter não faz mal aparecer no fb, não é'

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...