terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Procissão, texto de J. Rentes de Carvalho

Procissão, Militão dos Santos
Procissão, de Militão dos Santos

Francisco José Viegas regressou ao A Origem das Espécies - de onde nunca devia ter saído - a tempo do regresso de J. Rentes de Carvalho ao Tempo Contado. Francisco José Viegas regressou com um post de homenagem a J. Rentes de Carvalho, reproduzindo o texto lido por J. Rentes de Carvalho na cerimónia de entrega do Grande Prémio de Literatura Biográfica APE/Câmara Municipal de Castelo Branco, atribuído à obra Tempo Contado, que já havia sido publicado no blog da Quetzal, editora em que Francisco José Viegas decidiu, em boa hora, (re)publicar a obra de J. Rentes de Carvalho com o rigor e visibilidade que merece. Só por isso, já o disse, perdoo ao Francisco José Viegas ter-se deixado arrastar por gente tão enlameada. Talvez não esteja a dar nenhuma novidade aos meus leitores, mas convém sempre repeti-lo, não exista por aí algum menos avisado. A Quetzal tem vindo a publicar livros apetecíveis. Eu não voltarei a comprar nem um enquanto não publicarem Portugal, a Flor e a Foice. Boicotes são boicotes. Não será preciso dizer que as obras de J. Rentes de Carvalho que venham a ser publicadas não entram neste boicote. O blog A Origem das Espécies regressou também à minha lista de links, o Tempo Contado nunca de lá saiu, pois mesmo que J. Rentes de Carvalho não voltasse a escrever lá, uma visita aos posts antigos é sempre recomendada. Como uma procissão, o texto lido por J. Rentes de Carvalho chega agora a este postigo em que me refugio tantas vezes das dores existenciais da vida comezinha. Procissão, de J. Rentes de Carvalho:

"Os tolinhos. Os bufos. Os convencidos. Os pategos. Os membros e as suas esposas. Os amigos dum gajo que conhecemos há muito e  não é sério. Os fanáticos. Os sinceros. Os que foram maoístas. As bruxas. Os inimigos do povo. As irmãs do Salazar. Os compadres. Os hesitantes. O senhor Pacheco do táxi, do aviário e da bomba da gasolina. Os que comem peixe à sexta-feira. Os sócios benfeitores da Associação dos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Azeméis. O médico dos Raios-X. A ex-telefonista da ex-PIDE do antigo regime. O clarim de Caçadores 9. Os filhos do falecido Prof. Dr. Joaquim do Amaral Thorensen Perestrelo Owen Ricciotti Matoso Guedes de Crespo e Bombarral (Marquês de Leça, Irmão da Ordem Terceira, Diplomé des Palmes du Mérite Agricole). O maquinista do ‘Foguete’ que levou o Papa a Braga. Os heróis do mar. Os gloriosos combatentes anti-fascistas. Os gaseados de 1914-1918 (Flandres). A tia da D. Amália Rodrigues. O cauteleiro de Cinfães. Os moradores do terceiro andar do prédio nº 42 do Beco dos Capachinhos 1300-444  Lisboa. Os que só gostam de cerveja. O que comprou as calças do Gungunhana e as ofereceu depois ao Museu de Bragança, donde parece que foram roubadas na noite de 7 de Fevereiro de 1952. A mulher do filho do vizinho do Marcelo. As figuras prestigiosas da nossa política acompanhados (acompanhadas? era o que faltava!) das respectivas esposas. O emigrante que construiu aquela casa. Os visitantes do Jardim da Estrela. Os dez mais elegantes. Os calvos, os obesos, os deficientes motores, os invisuais, os diminuídos mentais - que é como quem diz: os carecas, os buchas, os aleijadinhos, os cegos, os tarados. Os manetas e os gagos. O locutor da Rádio Renascença. O bissexual que casou com a Maria João e na intimidade lhe chama Zé Maria. O senhor doutor que está quase a chegar, não falta nada. Os três da panelinha. Os três. Os que dizem trinta e três. A Trindade. O senhor Pimpim. Os que leram Marx. O reformado que pinta aguarelas e imita muito bem o barulho da água a ferver. O eléctrico dos Anjos. Os senhores guardas. As senhoras guardas. As gentes da autoridade. Os defensores da ordem. A mulher que fugiu ao marido alcoólico e se foi juntar com um cego que tem uma barraca em Chelas. Os tocadores de violoncelo. Os fascinados pelo destino do proletariado. Os holandeses anticolonialistas, vegetarianos, com casa no Algarve. O ex-ministro. A Rosa que gosta muito de crianças. Os enfermeiros. As calistas a domicílio. A menina do quiosque. O bispo de Aveiro. Você e eu."

3 comentários :

  1. Li finalmente o primeiro livro deste autor, "A Rebate" e gostei imenso.
    Já tenho outro em lista de espera...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já te disse noutras ocasiões, aconselho todos. Até o Mazagran - Recordações e outras fantasias, que ainda não li. Lê «Ernestina»... Abraço.

      Eliminar
  2. É precisamente o "Mazagran"que está na lista de espera.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...