domingo, 9 de dezembro de 2012

Palavras - Poemas de Carlos Drummond de Andrade



A Palavra

Já não quero dicionários
consultados em vão.
Quero só a palavra
que nunca estará neles
nem se pode inventar.

Que resumiria o mundo
e o substituiria.
Mais sol do que o sol,
dentro da qual vivêssemos
todos em comunhão,
mudos,
saboreando-a.

In «A Paixão Medida»




Certas Palavras

Certas palavras não podem ser ditas
em qualquer lugar e hora qualquer.
Estritamente reservadas
para companheiros de confiança,
devem ser sacralmente pronunciadas
em tom muito especial
lá onde a polícia dos adultos
não adivinha nem alcança.

Entretanto são palavras simples:
definem
partes do corpo, movimentos, actos
do viver que só os grandes se permitem
e a nós é defendido por sentença
dos séculos.

E tudo é proibido. Então, falamos.

In «Boitempo»

Sobre Palavras podem também ler estes dois poemas, de Alexandre O'Neill, e de Eugénio de Andrade

2 comentários :

  1. Um dos grandes poetas da língua portuguesa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queria tanto ter a obra completa...! Mas também ainda não encontrei nenhuma obra completa de jeito... Há uma edição das Publicações Europa-América (de 1989), mas nem estão disponíveis os volumes todos... Abraço.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...