quarta-feira, 7 de novembro de 2012

«Errar é humano, ser covarde não»*

Casablanca



«Se não ficares aí nunca mais nos voltamos a ver.»**


«If that plane leaves the ground and you're not with him, you'll regret it. Maybe not today. Maybe not tomorrow, but soon and for the rest of your life.»***

A Matemática da Felicidade****


Não há pessoas felizes. Até porque grande parte das pessoas não compreende a matemática. Não sabem o que é uma variável que tende para infinito, ou não concebem um eixo em Rn. Porque para elas o mundo tem apenas três eixos, vá, quatro para os metafísicos. Se as pessoas compreendessem a matemática, saberiam a diferença entre um fenómeno discreto e um fenómeno continuo. Saberiam que uma razão cujo denominador seja zero é indeterminada. E a diferença entre uma condição necessária e uma suficiente. E por isso não existem pessoas felizes. Porque a felicidade não existe enquanto fenómeno contínuo e o vazio das nossas razões também não. Somos felizes em momentos, discretos, ao longo da continuidade da nossa vida. Quando descobrimos que amamos, ou que somos amados. Quando parimos ideias, filhos, sonhos. Sem género. Ou que deixamos de viver no que devia ter sido, esse eixo que teimamos em construir ao lado esquerdo do zero das nossas amarguras.
E é por isso que me fascinam as histórias tristes. Porque são pontos no espaço. Simples pares de coordenadas diluídos nos eixos em que nos desdobramos. E que tentamos apagar nas curvas quase perfeitas daquilo que achamos ter de ser. Só, porque achamos que esses pontos não são função de nada mais que da má sorte. Mas isso, é tão falso como a Matemática ser difícil. E isto sim é uma verdade absoluta.



*Errar é humano, ser covarde não.» Li esta frase numa daquelas fotografias que correm o facebook com uns dizeres por cima, ou vice-versa. Ter medo é humano, ser covarde não. Os cobardes são bichos, não são humanos. Os covardes não são humanos, nem para consigo mesmo, nem para com os outros. Claro que os bichos, os verdadeiros bichos, os animais, por assim dizer, não são covardes. E claro que bicho é sinónimo de animal. Mas nem sempre as palavras significam aquilo que literalmente querem dizer. Aqui da minha solidão facebookiana, acenei que sim com a cabeça à frase, e pensei em tantas coisas, num desses processos de Associação de Ideias, daqueles que nos conduzem a ideias imprevisíveis quando observadas com o olhar da Consciência...

**Quem nunca teve o seu momento Casablanca, não saberá jamais o que é viver com a alma rasgada. Ainda bem. Não é coisa que se deseje a ninguém...

***Via Teatro Anatómico, aqui.

****Lido no blog Come chocolates, pequena; com o título Não há pessoas felizes.



2 comentários :

  1. Que agradável surpresa foi ver este texto aqui. Obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço por um texto que é magnífico.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...