quinta-feira, 21 de junho de 2012

Prólogo: a Rua do Encontro

Hugo Simberg, The Wounded Angel, Anjo, Anjo Ferido, Angel
The Wounded Angel, de Hugo Simberg



PRÓLOGO*


Aproximam-se dois vultos do jardim que se estende frente aos edifícios da Polícia de Segurança Pública e do Governo Civil do outro lado da rua
Descem dando passos calmos pequenos decididos
Contornam a esquina e param
Um Mercedes cor de azeitona verde vira para a rua estreita e passa por eles a rasar quase tocando-os
O mais pequeno dá um pulo assustado para trás
O maior não se move continua impávido
Quando o rouco roncar do motor se silencia distante o maior suspira olha para o lado de mãos enfiadas nos bolsos e atravessa a estrada a correr retomando as passadas lentas no passeio que orla o jardim
O mais pequeno segue-o apressado
Estão de novo lado a lado
Caminham mais alguns metros sentando-se depois num dos velhos bancos abandonados e vermelhos do jardim
Instantes passados o mais velho volta a levantar-se
O outro segue-o resignado
Param junto ao busto que jaze no centro do jardim
Continuam descendo para o passeio oposto aos laicos edifícios da República
O mais velho detém-se para ler as inscrições grava-das numa pedra de mármore cravada no granito
Alta cidade da vetusta beira
Entalhada na monstra serrania
Chamam-te feia, falsa, fria
Mas és também fidalga hospitaleira
Voltam ao jardim
O mais novo roda o corpo sentando-se com uma perna dobrada sob as tábuas carcomidas do banco
Coloca as suas mãos cruzadas pálidas púberes sobre o ombro hirto do mais velho
Olha para ele ansioso e expectante mas este parece não lhe prestar atenção
Observa os polícias que conversam na ombreira do lúgubre edifício
– Qual é o problema
Pergunta o mais novo
Tem uma voz meiga e aguda uma adocicada mistura do tom límpido infantil que vai perdendo com o tom gutural adolescente que ainda não ganhou por completo
O mais velho não responde encolhe os ombros olhando para o mais novo pela primeira vez
Repara então que é bonito realmente bonito pensa
Tem uns olhos claros um nariz bem moldado entre as pregas da face rubicunda a pele resplandecente
É lindo de uma beleza cândida inocente ingénua
Demora-se no rosto do mais novo afundando-se no abismo ávido profundo transparente dos olhos meigos dele
– Gostas de mim
Questiona o mais novo
É um rapaz extrovertido simpático e falador
Tem menos meio palmo que o outro
Apesar da tenra idade (não terá com certeza mais que quinze anos) transborda experiências
Aborrecido por o outro não lhe prestar atenção senta-se direito no banco não sem antes desviar o cabelo negro do mais velho da frente dos seus olhos negros também
Remexe os bolsos das calças retirando um maço de Ventil puxa um cigarro e pede isqueiro ao mais velho que lho estende paulatinamente depois de o procurar nos bolsos do casaco que pousa sobre os joelhos primeiro e nos bolsos das calças depois até o encontrar
Segura o pequeno objecto negro entre o polegar e o indicador
Pede-lhe um cigarro levando-o depois com um movimento esguio à boca
Tem os cabelos compridos escuros melancólicos escorrendo-lhe pela testa larga
Debruça-se apoiando os cotovelos nos joelhos
O mais novo impacienta-se bufando exageradamente para dar a entender o seu fastio ao outro
O mais velho olha absorto para as suas mãos trémulas que cruza distraidamente segurando o cigarro desajeitado com dificuldade
Sente dó de si mesmo uma piedade aguda fria metálica que lhe estala no peito
Cerra os lábios hermeticamente
Suga o lábio superior com o inferior e trinca-o
É uma sensação deliciosa sentir a pele dos seus lábios friccionada contra a dureza dos dentes
Exagera a força com que se morde lacerando ligeiramente o lábio que começa a sangrar
Sorve o líquido encarnado
Tem um sabor agridoce
Está uma noite fresca durante o dia a temperatura tinha subido bastante agora ambos de manga curta tremiam
O mais velho tem o casaco dobrado sobre o colo
Já o vestira mas era demasiado forte começara a suar despira-o novamente
Os polícias suspendem a conversa distraída revirando os seus olhares incisivos na direcção das duas silhuetas difusas
Eles apercebem-se que são o foco do interesse dos dois homenzarrões vestidos com umas ridículas calças azuis escuras e um casacão de cabedal negro
Estão sentados num banco coberto pela sombra de uma palmeira frondosa
A luz do candeeiro eléctrico bruxuleante e pálida ilumina-os com grande dificuldade
Os polícias não conseguem distinguir-lhes os traços do rosto
Está uma noite nublada
Uma brisa primaveril seca doce move-se morosa-mente por entre os galhos pejados de folhas escuras viçosas brilhantes onde jorram os restos da luz pálida da lua arrastando atrás de si os pólens e realçando os contornos das folhas
– Vamos dar uma volta
Pede o mais novo
– Não gosto do olhar daqueles tipos
Seguem pelo corredor lânguido
Ao fundo do jardim perfilam-se quatro cabinas telefónicas e um quiosque
Param para ver os artigos expostos
E continuam o seu caminho subindo pela Rua do Encontro.

*Prólogo, escrito sem pontuação, que é como uma curta-metragem projectada antes do filme em exibição, de um livro feito romance a partir de fragmentos e anotações, e que são 5 histórias que se cruzam, mas que podiam ser apenas 1. O título original era «Morte na Madrugada», com o subtítulo «ou o eterno amanhecer», porque sempre gostei de subtítulos. Que dissessem o mesmo, o contrário, ou outra coisa qualquer.


O Romance «Os Cadernos Secretos de Sébastian» encontra-se à venda, em livro, na Amazon e na CreateSpace. Em formato e-book podem encontrá-lo na SmashWords, no iTunes, na Amazon, e noutras lojas online.

4 comentários :

  1. Eu gostei muito, sem a pontuação. Gostei também muito da observação "como uma curta-metragem projectada antes do filme".*

    ps: gosto muito da imagem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Tétisq. Também gosto muito da imagem, principalmente do olhar do miúdo da direita.

      Eliminar
  2. Vou comprar o teu livro quando receber a próxima pensão (10 de Julho).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Pah, gostava de ter um para te oferecer, mas só já tenho mesmo um exemplar, o meu. Riscado e rabiscado com uma data de correcções... Abraço.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...